Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares do Rio de Janeiro

Siga nas redes:

Filiado a FINDECT Filiado a CTB

A Polícia Federal resolveu investigar Paulo Guedes, até que enfim

Notícia publicada dia 07/07/2020

Tamanho Fonte:

O ministro mais privatista e inimigo dos direitos trabalhistas da história é acusado de fraude bilionária no Postalis e outros fundos de pensão, o que foi denunciado desde que assumiu o ministério.

A acusação contra o ministro que manda na economia do país e a coloca cada vez mais no buraco, com número de desempregados crescente, é de crime de fraude bilionária em fundos de pensão estatais.

Não há novidade na acusação. Antes mesmo dele assumir o posto no governo Bolsonaro, em 2018, reportagem no Globo revelou o papagaio. Mas a Polícia Federal estava meio parada, como no caso Queiroz e das laranjas do Flávio Bolsonaro. Agora andou.

A operação caça Guedes, batizada de Greenfield, foi desencadeada pelo Ministério Público Federal (MPF) e investiga a suspeitas de que Guedes se associou a executivos para praticar fraudes em negócios com os fundos de pensão que levaram a prejuízos que chegam a R$ 1 bilhão em fundos como Previ, do Banco do Brasil, Funcef, da Caixa, Petros, da Petrobras e o Postalis, dos Correios. Veja texto da época.

Segundo o MPF, há “relevantes indícios de que, entre fevereiro de 2009 e junho de 2013, diretores/gestores dos fundos de pensão e da sociedade por ações BNDESPar” se consorciaram “com o empresário Paulo Roberto Nunes Guedes, controlador do Grupo HSM”.

A intenção seria a de cometer “crimes de gestão fraudulenta ou temerária de instituições financeiras e emissão e negociação de títulos imobiliários sem lastros ou garantias”.

O rei da privatização

Como banqueiro, Guedes “privatizou” para si os fundos de pensão. Agora quer privatizar as estatais para encher os bolsos de seus amigos banqueiros e empresários, vendendo-lhes a preços irrisórios estatais altamente lucrativas e até setores inteiros da economia, como o postal.

A desculpa é a mesma de sempre. O ministro vive dizendo que o governo não tem dinheiro e precisa fazer caixa. E coloca a venda de estatais como prioridade para arrecadar recursos e entregar para os bancos, como pagamento de juros da dívida estatal.

Em sua lista sempre estão os Correios, a Petrobrás, a CEF, o BB e outras joias como a Dataprev. São empresa estratégicas para a população, para e economia, para a segurança e a integração brasileira, além de altamente lucrativas.

O governo sabe disso e as administra para gerar problemas que justifiquem a privatização. É o famoso sucateamento. No caso dos Correios a tática envolve a falta de concursos e de contratação de funcionários, a ausência de investimentos, os arranjos operacionais que deixam a população na mão, e passou por mudanças contábeis feitas de forma a transformar lucro em prejuízo e desaparecer com o fluxo de caixa que garantia aplicações financeiras e capital de giro.

Trata-se de fraudes, que o ministro e seu secretário das desestatizações, que também carrega acusações nos ombros, conhecem muito bem!

Por: FINDECT

Compartilhe agora com seus amigos