Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares do Rio de Janeiro

Siga nas redes:

Filiado a FINDECT Filiado a CTB

Descaso dos Correios preocupa trabalhadores sobre 2° onda de covid-19 no Rio de Janeiro

Notícia publicada dia 27/10/2020

Tamanho Fonte:

SINTECT-RJ alerta sobre nova onda de contaminações de Covid-19 pelas unidades no Estado

Diante do relaxamento e omissão da ECT na aplicação das medidas de segurança, acabou soando um alerta nas unidades do estado do Rio de Janeiro num momento em que vários setores voltaram a registrar novos casos de contaminação.

Além de Macaé, Magé, Vila de Cava, Campos e Tanque, agora foi o CDD Riachuelo que apresentou contaminação por covid-19 dentre os trabalhadores. Imediatamente o SINTECT-RJ, representada pela Secretária-geral Rose Leodoro, se colocou a disposição dos trabalhadores, fazendo valer a liminar que garante o cumprimento da quarentena como forma de garantir a saúde e vida dos trabalhadores e de seus familiares.

Apesar do SINTECT-RJ ter conquistado uma liminar garantindo o afastamento de todo efetivo da unidade em caso de confirmação por covid-19, o sindicato cobra da empresa e governo Bolsonaro providências necessárias para garantir a segurança dos trabalhadores em todo país. Entre elas, a realização da limpeza constante das unidades de trabalho, a desinfecção e a testagem de todos os funcionários da unidade como medida profilática.

O sindicato ainda denuncia que a empresa não está seguindo o protocolo profilático, que indica procedimentos a serem tomados, tais como o fornecimento e uso obrigatório de máscaras, álcool gel 70% e cumprimento do distanciamento mínimo de 2 metros dentro das unidades.

O Brasil continua sendo “duramente afetado” com mais de 157.000 mortes. Porém mesmo com a queda da mortalidade diária, é preciso ter cautela e muito cuidado, pois não há vacinas ou medicamento eficaz para o tratamento. Mas há um risco eminente de nova onda de contaminação, por isso é importante cumprir as medidas de segurança.

Alerta de nova onda de contaminação

Segundo o infectologista Julio Croda, pesquisador da Fiocruz, o estado do Rio de Janeiro é o mais preocupante em relação à uma eventual segunda onda da pandemia causada pelo Coronavírus.

“O caso do Rio é especialmente preocupante porque não acho que eles estão se preparando adequadamente para a segunda onda, assim como a população também não tem uma adesão adequada [às medidas preventivas]”, apontou.

Segundo Croda, a falta de isolamento social e os problemas estruturais na rede pública de saúde podem colocar o estado em alerta em caso de aumento expressivo de novas infecções por Covid-19.

O SINTECT-RJ alerta os trabalhadores para o cumprimento das medidas de segurança e reforça os cuidados que você deve ter e se prevenir, confira:

Uso constante de Máscaras

As máscaras sendo usadas de forma correta podem ser cruciais para evitar uma nova onda de infecções.

O SINTECT-RJ alerta que não adianta usar máscara e deixar o nariz de fora, e também que ela (a máscara) não pode estar úmida e que precisa ser trocada a cada duas horas.

As máscaras de pano precisam ser lavadas com água e sabão, também precisam ser guardadas em sacos plásticos na bolsa para todo o tempo que for ficar fora.

Meu colega de trabalho não quer usar máscara, e agora?

Se o colega de trabalho não usar, é preciso que a chefia tome providências e a empresa precisa fiscalizar, porque é questão de saúde pública e segurança de trabalho. O não uso coloca todo mundo em risco e é um atentado contra seus colegas e a saúde no geral.

Álcool gel e higienização das mãos e locais de trabalho

O uso de máscaras de proteção deve vir acompanhado com outras proteções. O uso do álcool em gel e a higienização das mãos, em locais de trabalho e transportes coletivos são fundamentais.

Ventilação e o perigo do ar condicionado

O SINTECT-RJ também lembra a importância da ventilação natural nos ambientes de trabalho e também no transporte coletivo para evitar a proliferação do novo coronavírus.

É importante manter janelas e portas abertas para a ventilação do ambiente de trabalho e ainda com todo mundo usando a máscara. A fala gera aerossol e muita gente falando num mesmo espaço o problema pode ser ainda maior.

Distanciamento

Outra ação importante e que deve ser contínua e precisa, é o distanciamento entre os trabalhadores e clientes de um metro e meio ou mais, com o uso obrigatório das máscaras e com a higienização adequada.

Compartilhe agora com seus amigos