Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares do Rio de Janeiro

Siga nas redes:

Filiado a FINDECT Filiado a CTB

Trabalhadores do CDD Campo Grande pressionam contra o assédio moral

Notícia publicada dia 31/05/2022 12:28

Tamanho Fonte:

“Há um clima muito ruim entre o gestor e os trabalhadores em função do assédio moral. A direção do Sindicato está na luta, porque sabemos que isso tem acontecido em várias unidades da empresa. Ao passo que sabemos que as exigências feitas pela gestão Bolsonarista na empresa rumam para esse tipo de agressão ao trabalhador. Nós da direção do Sindicato, exigimos respeito aos trabalhadores, que são o principal patrimônio da empresa,” destacou o diretor jurídico do SINTECT-RJ, Fagner Lopes.

Diante da paralisação da unidade, em função das péssimas condições no clima organizacional imposto pelo atual gestor, a gestão da empresa enviou a GERAE Simone para dialogar com os trabalhadores. Na reunião realizada com a gestora, foram relatados  todos os abusos cometidos pelo gestor e toda sua insatisfação e descontentamento com os episódios cada dia mais grotescos na unidade. 

“É inadmissível que o gestor faça uma reunião para ameaçar os trabalhadores com demissões e transferências. Os trabalhadores sempre mostraram vontade de dialogar estando sempre à disposição para atender as demandas, mas não vão mais admitir as atitudes autoritárias do gestor. As ameaças do gestão são uma prática abominável de assédio moral, que remete aos tempos remotos de um capitalismo selvagem que não existe mais, por isso que os trabalhadores exigem um novo rumo para a gestão na unidade,” explicou o diretor de comunicação do SINTECT-RJ, Pedro Alexandre. 

A GERAE Simone assumiu o compromisso com os trabalhadores de que vai resolver o problema o mais rápido possível, entendendo que as ações autoritárias do gestor são descabidas e não condizem com a política da empresa. O Sindicato cumpriu todos os trâmites legais para garantir o direito de greve da categoria, deixando amparados legalmente todos os trabalhadores do movimento grevista na unidade, em caso de paralisação. 

Compartilhe agora com seus amigos