Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios Telégrafos e Similares do Rio de Janeiro

Siga nas redes:

Filiado a FINDECT Filiado a CTB

#SAIUNAMIDIA – Senador da Bahia indicará vice-presidente dos Correios

Tamanho Fonte:

O clima é de revolta dentro dos Correios, que estão caminhando firme para o precipício. O governo deu ao senador Otto Alencar, do PSD da Bahia, a prerrogativa de indicar o próximo vice-presidente de Logística da estatal.

Para quem não sabe, Alencar entrou com uma ação contra os Correios no Tribunal de Contas da União (TCU), na tentativa de restringir a atuação da empresa na área de logística, a qual, agora, seu apadrinhado comandará.

Alencar é um dos sócios da Voetur, que tem muitos interesses em áreas nas quais os Correios atuam. Ou seja, em troca de apoio político, o governo entregará uma área estratégica para a concorrência.

Rombo bilionário

Os Correios, como se sabe, estão vivendo um momento terrível. Somente nos últimos dois anos, a estatal acumulou prejuízos de quase R$ 4 bilhões. O buraco só aumentou neste ano, sem qualquer perspectiva de reação. Fala-se em perdas de mais de R$ 1 bilhão apenas nos três primeiros meses deste ano.

O comando dos Correios sempre foi entregue a grupos políticos, que saquearam o caixa da companhia. No momento, a empresa está sob a tutela do PSD, partido do ministro das Comunicações, Gilberto Kassab. O presidente da estatal, Guilherme Campos, é do PSD.

A situação dos Correios é tão complicada, que a empresa cortou férias e demitiu quase todos os terceirizados. Recentemente, anunciou que reabrirá o Plano de Demissão Voluntária (PDV), ao qual já aderiram 5,5 mil funcionários. A meta é que pelo menos mais 10 mil deixem a estatal. São elegíveis ao programa 17 mil funcionários, todos com mais de 55 anos de idade e mais de 15 anos de serviço.

Além dos Correios, também o fundo de pensão dos carteiros foi saqueado por esquemas políticos liderados pelo PT e pelo PMDB. O Postalis está com rombo superior a R$ 6 bilhões. Para cobrir o buraco, os empregados da estatal estão sendo obrigados a fazer uma contribuição extra ao fundo.

Fonte: CORREIO BRAZILIENSE

Notícia publicada dia 09/06/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *